Publicado por

Comportamento de risco: como evita-lo?

Toda empresa tem a obrigação de proporcionar um ambiente seguro aos seus funcionários segundo as normas do Ministério do Trabalho e Emprego. Mas, para que isso ocorra da melhor forma, a colaboração dos funcionários é essencial. E este é um trabalho constante do SESMT ou profissionais de segurança do trabalho: a descontração diária do comportamento de risco dos trabalhadores.

Esta atitude, seja por algo simples ou até mesmo complexo, pode gerar  um acidente gravíssimo com sequelas irreversíveis. Por isso, é necessário estar ciente sobre quais são os comportamentos de risco mais comuns entre os colaboradores e principalmente como evita-los.

 

Entenda o comportamento de risco

Antes de mais nada é importante entender o que é o comportamento de risco e alguns exemplos. Classifica-se como comportamento de risco atitudes e ações cotidianas de cada trabalhador durante o exercício da sua profissão. São características particulares que variam de pessoa para pessoa. Tais atitudes podem gerar incidentes graves e até mesmo letais por tornar o ambiente de trabalho vulnerável.

Cada empresa e ramo de atividade possui seus comportamentos de risco mais comuns. Porém, existem aqueles que podemos notar em diversos seguimentos, como:

  • Brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho;
  • Uso de equipamentos antigos ou muito gastos;
  • Falta de atenção ou ritmo acelerado, fora do convencional;
  • Sentir-se seguro de forma excessiva, subestimando as normas de segurança;
  • Burlar o sistema de segurança por julgar que o trabalho será “mais fácil;
  • Não utilizar os EPIs ou EPC, mesmo após advertências;
  • Utilizar equipamentos sem a autorização de um responsável;
  • Retirar EPCs de máquinas e equipamentos.

Estes são apenas alguns exemplos mas no dia a dia de uma empresa será possível encontrar diversas atitudes perigosas.

 

Como minimizar o comportamento de risco? 

Pensando em minimizar sua incidência, veja 3 dicas importantes para a equipe de segurança do trabalho, CIPA e SESMT:

1) Sempre incentivar e monitorar o uso de equipamentos de proteção

O uso dos EPIs e EPCs precisa ser prioridade em toda empresa. Este é um trabalho conjunto entre empresa e empregador já que nada adianta o colaborador usar os equipamentos se eles não são adequados para a atividade. Cabe ao empregador fornecer os materiais corretos, de qualidade e instruir os trabalhadores com relacão ao seu uso.

 

2) Promover encontros, reuniões, etc.

Ouvir o que os colaboradores tem a dizer é essencial para minimizar o comportamento de risco. Eles possuem o maior conhecimento sobre os pontos de melhoria dentro de suas atividades. É importante tirar suas dúvidas, ouvir suas questões e buscar soluções para promover um ambiente seguro. O DDS (Diálogo Diário de Segurança), encontros e treinamentos são perfeitos para este objetivo.

 

3) Treinamento constante

Já falamos aqui no blog sobre a importância dos treinamentos de segurança. Então estimular os colaboradores com seminários, palestras e até webinários minimiza as chances de incidentes graves. Então procure sempre orientar seus colaboradores para que em situações de risco, saibam como se comportar.

Então, vamos colocar em prática?

 

 

Categorizados em:

Este artigo foi escrito por Marketing Asonet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

x
x

Diagnóstico gratuito







Engenheiros de segurançaMédico do trabalhoGerente SST

1234